Minha mãe era médica e era a minha melhor amiga. Eu conversava sobre absolutamente tudo com ela, sem censura, sem limite, sem preocupação ou frescura. Adicione a isso o fato de eu ser bipolar e imagine o tipo de conversa que nós tínhamos.

Quando eu era adolescente, logo depois de perder a minha virgindade, uma das conversas que mais acontecia no meu círculo de amigas era a respeito de sexo, tudo que dizia respeito a sexo, curiosidades e o que fazer a respeito de sexo oral.

Sexo oral era um tabu para algumas. Era um nojo para outras. Era inadmissível para a maioria. Era uma espécie de “obrigação” para as submissas. Enfim, era algo que aparecia na vida da maioria na base do susto, sem preparação, e ninguém estava muito preparada e nem sabia como agir ou o que fazer.

Como sempre não vou ser hipócrita e nem me fingir de inocente. O sexo oral apareceu na minha vida antes mesmo do sexo. E, realmente, apareceu no susto. E foi o melhor susto da minha vida. Mas eu recebi o presente e o susto, não tive que praticar. Sinceramente, não sabia muito bem o que estava acontecendo, na verdade, eu estava inclusive vestida, e de calcinha, na primeira vez, mas nunca na minha vida vou esquecer daquela sensação indescritível e espetacular.

A minha apresentação ao sexo oral para um homem não foi muito agradável inicialmente. Vamos colocar da seguinte maneira para tentar ser o mais “delicada” possível. Tudo se baseou em odores muito fortes, fluidos muito pegajosos, uma sensação de que um banho teria caído bem naquele pênis antes  e orações intermináveis dentro do meu ser para que terminasse logo.

Só que não sou mulher de meias palavras, não sou mulher de frescurinha, e não sou mulher de me render à primeira impressão e ficar por isso mesmo. Tentei de novo com uma nova estratégia. Assisti a muito filme pornô antes pra entender a logística e a técnica da coisa toda. Preparei toda uma situação antes, um banho bem sexy a dois, com tudo o que se tinha direito, e sem trocadilhos, caí de boca.

Só tenho uma coisa a dizer – viciei! Aprendi milhões de técnicas, descobri altos truques, conheci todos os pontos e zonas erógenas da área e adjacências (rsrsrsrsrsrs) e fiquei apaixonada por aquele lindo membro viril e excitante pendurado entre as pernas fortes dos machos da nossa espécie. Puta que pariu! É bom pra caralho!!!

Mas voltando ao título do post. Um dia, não lembro a situação, eu estava conversando com a minha mãe sobre alguma coisa e caímos nesse assunto. E eu comentei com ela que uma das maiores dúvidas que existia nas conversas com as minhas amigas era o que devíamos fazer na hora do sexo oral, se devíamos cuspir ou engolir. Lembrando que na época a maioria de nós tinha entre 17 e 20 anos, e de todas nós, cerca de 95% não podia nem sonhar em ter essas conversas com os pais.

Minha mãe parou um tempo para pensar e me disse que não fazia diferença, que isso era uma escolha de cada pessoa, de cada situação, e completou dizendo que o gosto do sêmen variava de acordo com a alimentação do indivíduo e de uma série de fatores, mas que de uma maneira geral, o sêmen era uma fonte da juventude, pois continha uma série de elementos como proteínas, enzimas, endorfinas, vitaminas, minerais, etc., e que seu consumo não era de forma alguma prejudicial, mas benéfico à saúde (rindo alto). Respondeu a mãe e a médica (rsrs).

Sério, gente. Eu tive essa conversa com ela. Assim mesmo, desse jeito. Ela comentou até que tinha umas mulheres que passavam o sêmen no rosto (putz!).

Contei para as minhas amigas o que a minha mãe tinha dito entre risinhos e gritinhos de “eca”, “oba”, “aff”, e coisas do gênero. Eu, particularmente, escolho entre as opções “cospe” ou “engole” de acordo com a situação, conforme ela mesma disse. Afinal, variar sempre é a melhor escolha para qualquer coisa, principalmente quando falamos sobre sexo.

Ainda morro de rir quando lembro dessa conversa, dessa situação e das minhas experiências com o assunto. E escrevi esse post pensando muito, pois pra mim é natural, mas fiquei preocupada se haveria gente pudica demais que se escandalizaria ao ler, e curiosa com as pessoas que iam se identificar com a situação (será que vocês vão ter coragem de comentar o post e dividir suas experiências comigo? Adoraria conversar com vocês!).

Então, é isso! Espero que vocês tenham muito prazer, seja cuspindo ou engolindo, ou nenhum dos dois, apenas usufruindo do prazer que ele proporciona dentro de nós!!!

Sexo é vida!