Começo esse post dizendo que discordo das críticas que estão arrasando com o filme Beleza Oculta. Todos estão, inclusive, indicando o filme ao prêmio Framboesa de Ouro.

Concordo que o filme entra num padrão típico de Hollywood de filme dramático estilo auto-ajuda. E também concordo que os talentos dos grandes atores contratados não foram bem aproveitados.

No filme, Howard, vivido por Will Smith, entra em depressão após uma tragédia pessoal e passa a escrever cartas para a Morte, o Tempo e o Amor, algo que preocupa seus amigos.

Mas o que parece impossível, se torna realidade quando essas três partes do universo decidem responder. Morte, Tempo e Amor vão tentar ensinar o valor da vida para Howard.

O que realmente estraga o filme Beleza Oculta é o fato dessas três partes do universo serem atores contratados pelos seus amigos e sócios, vividos por Kate Winslet, Edward Norton e Michael Peña. Eu não gostei disso.

Isso torna o filme clichê e brega, além de previsível, embora não tire a beleza das mensagens passadas.

As atuações de Jacob Latimore, como o Tempo, Helen Mirren, como a Morte, são fantásticas, extremamente emocionais e passionais, entretanto, devo concordar com a crítica em relação à Keira Knightley, que parece ter a mesma atuação em todos os filmes.

As expressões faciais e trejeitos de Keira como o Amor são, no mínimo, patéticas, e estragam bastante a interação do personagem principal com esse elemento, mas nada que destrua o conjunto da obra.

O filme me conquistou no início quando Will Smith, como Howard, ainda sem a tragédia, lança a pergunta: What´s yours whys? – Quais são os seus porquês?  

Demorei a me concentrar no filme novamente tão impactada que eu fiquei com essa pergunta. E logo depois, no meio de uma série de outras coisas ele falou que o que importava de verdade era: Amor. Tempo. Morte.

Mais um impacto em mim. Mais uma série de pensamentos numa pessoa que passou a maior parte da vida perdendo pessoas para a morte, tendo pouco tempo com elas, sem saber o que fazer com o tempo.

Então, sim, o filme teve um impacto em mim, teve uma grande importância, e ecoou na minha alma com suas mensagens, com suas reflexões, com a intensidade da dor do personagem e das possibilidades mil que levantou nos encontros com a Morte, o Tempo e o Amor.

Para alguns o roteiro não é tão bom assim, o filme talvez não seja uma maravilha, o final talvez seja meio idiota e óbvio demais, e super clichê, mas eu gostei e ponto.

Acho que as mensagens e reflexões deveriam ser levadas em consideração. São muito fortes e eu passei a maior parte do filme fazendo anotações.

O Will Smith está profundo em sua atuação. Dá pra sentir a dor do personagem.

A última mensagem que me impactou muito foi: Não deixe de perceber a Beleza Oculta. Dita pela Morte sobre a morte.

Essa é a minha maior crítica. A tradução estragou esse momento. Acho que deveria ser dito “beleza COLATERAL”, pois, a palavra colateral faz uma grande diferença no entendimento do significado do entendimento da beleza no momento da morte.

Ainda estou refletindo sobre essa Beleza Oculta (colateral) e sobre o que ela significa.

O que você achou do filme? O que você acha que é essa Beleza Oculta?