Moana, um presente da Disney para as meninas. Um filme maravilhoso que fala de coragem, independência e da transformação que aconteceu das mulheres dos séculos passados para as mulheres desse século.  Com uma linguagem delicada e cuidadosa, o roteiro mostra do início ao fim que as meninas não precisam mais aceitar o papel que é imposto a elas pela sociedade como parte feminina de uma estrutura patriarcal em que elas não podem fazer escolhas por conta própria e experimentar coisas diferentes das definidas para elas.

É linda a forma como Moana respeita o tempo todo os pais e as regras impostas a ela mostrando que a não concordância dela com essas regras não implica necessariamente em rebeldia, conflito e desobediência. A harmonia familiar é preservada o tempo todo. O respeito aos mais velhos é respeitado o tempo todo. A união familiar e a tradição é mostrada de uma forma muito bonita.

A sabedoria da anciã, representada pela avó, considerada inclusive meio maluquinha, é a base para o desenvolvimento da coragem e da independência latentes em Moana. Ela cresce ouvindo os conselhos e recebendo o carinho da avó, e observando o seu jeito de agir e de viver, com liberdade, em total sintonia com a natureza, sempre sorrindo e dançando.

A pressão de ser a próxima chefe existe o tempo todo em cima dela, mas ela não renega esse papel, embora sinta o tempo todo o chamado pela liberdade e pela natureza. Sua intuição também é muito forte, embora ela não entenda isso.

Aliás, é belíssima a conexão entre a natureza e o povo de Moana, e mais ainda, a conexão entre a natureza e Moana. No momento em que Moana finalmente tem a revelação mais importante dessa conexão, graças a sua avó, toda a sua maturidade e força feminina vem à tona, e a mulher guerreira que existe dentro dela desperta pronta para a missão independente de regras, de ordens dos pais, de qualquer coisa.

A força das mulheres é muito bem representada durante a jornada de Moana. A forma como ela descobre que é capaz de qualquer coisa, o jeito como consegue convencer Maui a fazer as coisas que ela precisa, o jeito como aprende as coisas, a forma como contorna os obstáculos e não desiste quando tudo parece impossível…

E a doçura nos momentos de entrega, de medo, de cansaço, de rever a família.

O filme é espetacular! Todas as meninas deveriam ver esse filme primeiro. Antes de qualquer outro. Muitas vezes. Para entender que não precisam de príncipes, nem de vestidos esvoaçantes, nem de cavalos brancos, nem de castelos, nem de fadas madrinhas… Elas precisam delas mesmas, precisam de coragem, de fé, de força, de independência, de respeito às famílias, à natureza, aos Deuses.

Saí do cinema orgulhosa. Do filme, da filha que eu criei, da mulher que eu sou e das mulheres que estão sendo criadas hoje em dia. É um dos filmes mais incríveis que a Disney já fez. Parabéns!