Essa é uma carta aberta a quem por acaso ler. É um post sobre minha experiência sobre os últimos meses com o blog e com a vida de blogueira, e principalmente, com a vida como bipolar.

Eu estava preparada para muitas coisas quando comecei o blog, pois na verdade comecei sem pretensão nenhuma. Nem formato ele tinha, nem layout, nem ideia do que seria. Mas não estava preparada para ter uma resposta positiva.

Quando comecei a acompanhar os dados do google analytics fiquei em êxtase. Tinha gente pra cacete lendo o blog e gostando. Uma galera que não me conhecia, de países distantes, continentes diferentes, vários estados do Brasil.

Comecei o Instagram e o Twitter. Me viciei na porra toda. Fiquei amarradona. Então, tive que lidar com a organização da parada toda. Reformular, dar um visual legal, separar em categorias, fazer planejamento de postagens.

Fodeu!

Tentei me adaptar. Abri o canal no Youtube. Não tive ajuda de ninguém, pois estava todo mundo muito ocupado com trabalho, vida, correria do dia a dia…

Abri o canal, descobri que tinha que ter uma porra de um codificador para fazer streaming, baixei essa merda, configurei tudo sozinha, preparei tudo, e na hora da transmissão ao vivo a minha webcam não funcionou.

Isso sem contar que já tinha postado dois vídeos, um feito no windows phone merda que eu tenho, sem edição, sem nada, e outro feito na web cam, mas sem planejamento, sem edição, sem nada também.

E aí eu tive que lidar com a minha primeira decepção: pessoas que eu não conheço me seguem, mas os meus amigos não. Como assim? Porra, eles são meus amigos, como é que eles não vão me seguir? Bem vinda a realidade!

Foi então que decidi escrever essa Carta aberta a quem por acaso ler.

Pessoas,

Eu passei meses vivendo um conto de fadas bipolar onde eu vivia como se tivesse 20 anos novamente e como se tudo fosse festa, diversão, fadas e unicórnios, dias coloridos de algodão doce e amor.

Hoje eu acordei e decidi voltar ao mundo real.

Olá, eu sou fulana, sofro de Transtorno Bipolar, tenho mais de 40 anos, tenho uma filha de 15, sou casada há 18 anos. Fiz jornalismo na PUC e estou cursando letras.

Essa é uma Carta aberta a quem por acaso ler.

Perdi 30 kg nos últimos 5 meses e comecei a malhar 3h por dia na academia. Estou pesando 60 kg.

Tenho uma alma jovem, um espírito selvagem e muita paixão.

Comecei o blog para falar sobre bipolaridade, cinema, comportamento, gastronomia, poesia, entretenimento e qualquer outro assunto que me desse vontade.

Há muito tempo não mexo com essas plataformas, nem tenho contato com esses perfis interativos, portanto sou novata nesse mundo. Principalmente, no Youtube (no que se refere a Youtubers).

Estou me fodendo pra me adaptar, praticamente não tenho quem me ajude, e quem me ajuda não pode me ajudar sempre, pois, como já disse, todos trabalham pra caralho e tem suas próprias vidas.

Não lido bem com planejamento, agendas e essas coisas. É muito difícil manter um padrão de postagem, pois penso muito rápido, crio aleatoriamente, e tenho vontade de postar na hora que me dá na telha. É foda!

Como toda bipolar passo por períodos ruins, durante o dia, durante a semana… eles não avisam quando virão. Então, às vezes, eu simplesmente não consigo pegar a porra do computador e fazer a tarefa simples de fazer o blog funcionar.

A minha realidade geralmente não é glamourosa. A foto do post é a minha realidade desse dia de hoje. E ainda tenho que lavar a geladeira, o banheiro, arrumar o closet, estender as roupas, fazer comida, pegar a bolsa da minha filha no conserto e ir à academia.

Além disso, tenho a faculdade, o blog, o insta, o twitter, o Youtube, o google para aprender como mexer com a porra toda sem a ajuda dos meus amigos, tenho que ir no banco, no mercado…

Todo dia quando acordo tomo um copo em jejum de água com gengibre, limpo a caixinha dos meus gatinhos, coloco comida pra eles e água, lavo a louça, lavo roupa e tenho uma lista infinita de tarefas domésticas, acadêmicas, sociais, e rotineiras para fazer.

Meu marido e minha filha passam o dia inteiro fora. Não tenho empregada, nem diarista, nem faxineira, nem porra nenhuma.

Cometi o erro de achar que tinha 20 anos novamente, pois eu realmente estou parecendo ter 20 anos novamente, cheia de energia, magra, gostosa. E sou muito interessante.

Minha vida social passou a contar com pessoas que tem 20 anos, com amigos de 20 anos dos meus amigos, com os amigos de trabalho do meu marido. E precisei entender que eu nunca farei parte desses grupos. Nós nunca estaremos no mesmo nível, na mesma “vibe”.

Talvez eles só tenham tentado ser educados comigo. Talvez eu seja a “coroa” legal, extravagante. Talvez eu seja só a esposa bipolar e louca do amigo de trabalho, a amiga doida do amigo de TI, a irmã doida da X e do Y, sei lá.

Aprendi que não tenho 20 anos. Precisei parar de beber, embora eu tenha bebido pra caralho a minha vida inteira. Se eu bebo eu não tenho limites, eu enlouqueço – MAIS.  Entrei no AA.

Precisei começar a lidar com os homens se interessando por mim novamente. Isso foi bastante complicado.

É maravilhoso ser desejada, é tentador. Mas um deles foi homem o suficiente para, apesar dos galanteios, me respeitar e respeitar o fato de que eu sou casada. E isso colocou tudo em perspectiva.

Decidi fazer procedimentos estéticos para ficar ainda mais gostosa. Foda-se, é um direito meu, estou envelhecendo e quero tirar essa merda de culote e melhorar o que pode ser melhorado sem intervenções cirúrgicas e escrotas. Não posso querer ficar bonita?

Posso estar mais uma vez sendo ridícula, passando vergonha, me expondo demais. Foda-se. Está na hora de colocar tudo no lugar. Eu não sou só bagunça, palavrão, sacanagem e bipolaridade.

Eu sou mãe, esposa, aluna de letras, jornalista, blogueira, dona de casa, membro do AA, rata de academia, espiritualizada, viciada por cinema, arte, livros, história, Rosacruz, membro da SRF, e coisa pra cacete além de bipolar.

Nesses últimos meses perdi o controle. Estou tentando recuperar.

Então, o blog continua, a porra toda continua, mas ainda estou aprendendo a lidar com isso tudo, sou novata, não tenho muita ajuda. Tenham paciência! Não me julguem demais.

A única coisa da qual não vou conseguir me recuperar tão cedo é da decepção de não ter o apoio dos meus amigos. De que adianta ter tantos amigos, se apenas minha família e 10 deles estão me dando força?

Sem falar nessa merda de Facebook, onde você tem 450 amigos, mas apenas 5% definitivamente tem interação com você e, como eu já reclamei, te dá esse apoio. Vou fazer uma limpa, já, já!

Enfim…

Não sei se vou conseguir postar com tudo planejadinho. Vou tentar. Mas eu sou bipolar, porra!