Nós dois, parados, olhos nos olhos, ardendo em desejo.

Confidências, o peito arfando, o ar faltando.

Os lábios que se mexem e soltam palavras em defesa.

A língua que se guarda ansiosa pra sair.

As mãos que se seguram, doidas pra tocar.

A intimidade que umedece sinalizando o limite.

Confidências. Palavras em defesa.

Olhos nos olhos, a mordida nos lábios, os olhos que se fecham.

Os braços que se encostam, as faíscam que ameaçam o controle.

As pernas que se encostam, que desejam se enrolar umas nas outras.

Minha mão que deseja entrar em seus cabelos, em seu peito, em seu ventre, em você.

Meus lábios que desejam explorar teu mapa, umedecer cada pedaço da sua geografia.

Meu corpo que deseja seu peso, sua experiência, sua exploração.

Fecho olhos e vejo seu êxtase, seu braço segurando meu corpo, você arfando de prazer.

Fecho os olhos e me vejo fazendo meus truques, usufruindo do seu corpo.

Me vejo gastando as horas pra me agradar com o prazer que é te agradar.

Quero ouvir sua voz sussurrar em meu ouvido.

Quero sentir sua respiração na minha nuca, nas minhas costas.

Quero olhar no fundo dos seus olhos e te fazer sentir algo que você nunca imaginou.

Quero que o desejo, não fique preso e solitário na mente e nas mãos,

mas que ele se liberte e viva, e aconteça, e se transforme, e valha,

todos os orgasmos que ele tem me presenteado.

Só pelos pensamentos de tudo que poderia ser.