As pessoas tem que tomar muito cuidado quando dizem que estão num relacionamento abusivo ou que alguém está. Relacionamento abusivo de verdade pode até dar cadeia. Pode parar em Conselho Tutelar. Pode acabar dando merda.

Em compensação, quem está em um relacionamento abusivo tem que ter consciência de que está num relacionamento ruim, tem que ter consciência de que precisa de ajuda e tem que estar pronto para procurar e aceitar essa ajuda. Continuar nesse relacionamento abusivo faz da vítima o quê? Conivente? Passiva? Incoerente? Apavorada? Impotente?

Pensando nisso me dei conta de que deve existir inúmeros níveis de relacionamentos abusivos. Não existe só aquele relacionamento em que um dos dois enfia a porrada no outro, quebra braço, deixa olho roxo, essas coisas. Nem aquele relacionamento de xingamentos e humilhações. Existem vários níveis e profundidades entre uma coisa e outra.

Essas vítimas ficam com um mantra dentro de si mesmas ecoando – a culpa é minha, a culpa é minha – sem parar. Porque o pior de um relacionamento abusivo é essa crença que é colocada na outra pessoa de que a culpa de tudo é dela. A culpa até mesmo da violência que ela está sofrendo é dela. Qualquer coisa que aconteça é culpa dela.

E aos poucos essas pessoas vão acreditando nisso e vão acreditando que são pessoas horríveis, que o mundo está acabando por culpa delas, a economia está falida por culpa delas, o vizinho se matou por culpa delas, o copo quebrou por culpa delas.

E elas vão se encolhendo, maltratando a elas mesmas, se consumindo, se odiando cada vez mais.

Quantas pessoas devem estar ao nosso lado sorrindo e agindo com perfeita naturalidade ao lado de seus parceiros e parceiras enquanto enfrentam um inferno entre quatro paredes? Não só mulheres, mas homens também!

E fazem questão de fazer isso muito bem. Porque se alguém notar que tem algo errado… puta merda! Vai ser culpa delas. E elas vão sofrer as consequências disso.

Como saber se estamos num relacionamento abusivo?

Um dia eu ouvi uma frase muito forte. Ouvi uma menina dizer: “Não é porque você nunca levou um tapa que você não está num relacionamento abusivo”. Isso me fez pensar muito. Mas a visão dela sobre o assunto era equivocada e influenciada por uma youtuber idiota que fazia vídeos ativistas sobre assuntos aleatórios com pregações flamejantes e vazias.

O mundo hoje em dia está muito cheio de mimimi. Vivo dizendo isso. Não é porque você discute de vez em quando em um tom de voz um pouco mais alto e fala e escuta algumas coisas um pouco mais escrotas no meio da discussão que você está num relacionamento abusivo. Brigas e discussões acontecem num relacionamento. Ainda mais se ele for longo.

Mas se essas coisas acontecem o tempo todo, de forma unilateral, de forma humilhante, aí sim, porra, se liga, você deve estar num relacionamento abusivo.

Cada caso é um caso.

Eu conheci mulheres que tiverem o rosto fraturado, perderam parte da visão e o caralho, foram levadas para o IML, e na hora não quiseram dar queixa do marido. E continuaram com ele. Vai entender!!! Tinham como se sustentar, tinham casa própria, carro, emprego, não precisavam do cara, mas ficaram com ele.

Com 18 anos de casamento tem horas em que rola uma discussão escrota, e quando o marido grita você decide ficar quieta pra não virar uma porradaria. Pra quem está de fora pode parecer que você é otária, passiva, vítima. Porra nenhuma! É uma escolha. A arte da guerra. Existe a hora de atacar e a hora de recuar. Para se ganhar a guerra, às vezes é necessário ceder. Deixar os gritos entrarem por um ouvido e saírem pelo outro.

As pessoas que me conhecem sabem. Eu sou maluca. Quando eu fico puta numa discussão ou se eu respondo, eu quebro a porra toda. Eu simplesmente perco a razão. Então, aprendi após anos de relacionamento, muitos cômodos e objetos quebrados depois, que na hora da discussão eu preciso entrar num estado de meditação, ou sei lá que porra é essa que eu faço, dentro de mim, e esperar acabar.

Eu tento explicar que o que torna um fato como esse abusivo é quando a vítima, ou a outra pessoa, não se cala por opção ou por escolha, ela se cala por medo, ela se cala por pavor, por intimidação. Isso faz com que a discussão seja parte de um relacionamento abusivo.

Você precisa saber que você está num relacionamento abusivo quando é xingada, humilhada, quando se cala por medo de apanhar, de ser separada de seus filhos, de ser mantida presa, de ser deixada sem dinheiro, sem comida. Você está num relacionamento abusivo quando é obrigada a fazer qualquer coisa que não queira e não é respeitada.

Você está num relacionamento abusivo quando é obrigada a fazer coisas no ato sexual que não concorda, que disse não. Quando é amarrada contra a sua vontade ou drogada. Quando apesar de dizer não é obrigada a fazer sexo, mesmo que seja com o seu parceiro. E ainda poderia citar muitos outros exemplos.

Tive uma amiga que se trancava no quarto por causa do marido. Que teve que juntar dinheiro para fugir. Que vivia com pavor dele.

Penso na minha avó paterna. Ela me contava histórias tão tristes de coisas as quais ela se submeteu por causa do meu avô paterno, que na verdade não era meu avô, era o segundo marido dela, padrasto do meu pai. Abortos que foi obrigada a fazer, a forma como ela vivia, e pior, por ser analfabeta, e bem ignorante em relação à vida, nem conhecimento para sair daquela situação ela tinha.

Queria tanto poder ajudar essas mulheres, conversar, ensinar a brigar, a dizer não, mostrar o caminho para a liberdade, perguntar porque elas continuam ali.

Mulher, relacionamento abusivo é seu marido gritar com você e te xingar e te humilhar e você ficar calada por medo, por vergonha, por intimidação. É você transar obrigada. É você fazer qualquer coisa no ato sexual que você não queira, não concorde ou que te machuque ou te humilhe. É você ser obrigada a ter uma religião que você não deseja.

Homem, isso serve pra você também. E eu falo isso porque fui muito escrota com muitos homens e hoje posso admitir e assumir isso. Mulher também é abusiva!!!

Se você estiver vivendo um relacionamento abusivo, ou um relacionamento que te exija mais do que você tem capacidade de dar, saia dele. Você nasceu para ser feliz. Você nasceu para amar e ser amado (a). Todos tem a vida toda para encontrar um outro alguém ou outra coisa que os faça felizes. Não percam essa oportunidade e esse presente.

Ninguém nasceu para sofrer!

Se você estiver num relacionamento abusivo violento, peça ajuda, comece a se planejar, e suma, fuja, desapareça. Vá para uma vida melhor! Esse é o seu destino.